quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Um Dia no Hospício


Precisei de um tempo para amadurecer as idéias e os sentimentos antes de escrever esse texto, porque um pouco de mim se perdeu naquele dia mas muito de mim se recuperou também.
Nunca levei tao a sério oque minha falecida avó me dizia, um dito popular antigo :"Por fora blea viola, por dentro pão bolerento." E certas coisas seria melhor não olhar por dentro.Digo isso, porque a pouco mais de um mês atrás fui convidado a trabalhar em um hospício e aceitei o convite, ficando muito ansioso com a idéia de trabalhar em um ambiente que sempre me despertou curiosidade, imaginava a coisa como nos filmes americanos onde havima terapias de grupo e individuais, e cada quarto(cela , porque é assim na vida real) tivessem no máximo dois ocupantes, que existia dignidade e que lá realmente fosse o melhor lugar para se reabilitar um "louco"(coloco a expressão entre aspas porque o termo correto é paciente psiquiátrico), e a princípo ao se olhar por fora é exatamente isso que se pensa , um bonito prédio com jardim na frente e uma bela fachada, contudo entrar em um hospício pode ser tao assustador quanto algumas mentes humanas mais repugnantes.
Lá dentro não existiam quartos , leitos, existiam celas, chão , jornal, vários pacientes confinados num mesmo espaço em condições sub - humanas . Lá imperava a agressividade , lembro de por instantes ter a impressão de estar num presídio, onde uma rebelião poderia ocorrer a qualquer instante.Não que não tivesse sido avisado, eu fui, ao entrar fui avisado por um funcionário que disse: " _ Aqui dentro, não lugar de por favor nem muito obrigado,aqui dentro não lugar de educação, aqui é pra falar grosso e sair na porrada, esquece tudo que voce aprendeu até hoje em enfermagem , aqui voce não vai usar nada".E quer saber lá a unica lei é a do mais forte , a agressão física e verbal é constante e contagiosa , bastam poucas horas de convívio para que voce se torne toa agressivo quanto todos que ali convivem. Eu me pergunto onde está o tratamento? Cadê Freud?
O descaso com a psiquiatria não é tao comentado, afinal, nigume quer ver aquilo que é feio aos olhos . Você caro leitor, de ve estar se peguntando oque você fez? Oque todos os pacientes de lá tem vontade de fazer, mas nem sempre conseguem, eu fugi. Saí andando pelas ruas snetido o vento no rosto, a liberdade,verificando se estava realmente lúcido, me sentindo fraco por um breve momento por naõ ter suportado a pressão, me sentido feliz por outro por ter vivido a experiência que vivi, porque um pouco de mim, minha ilusão,minha curiosidade,e até mesmo uma certa inocência se perdeu, contudo quando saí fugido de lá tantas outras coisas esquecidas retornaram a minha vida, coisas como: minha liberdade, meu direito sagrado de poder ir e vir, minha compreensão e percepção do mundo a minha volta, agora tao mais afiados,miha paciência e meus valores também mudaram ou foram resgatados , minha família e os dias perfeitos com ela, minha coragem.
Tá, voce deve estar pensando :"Que coragem?" "Voce fugiu!" Sim, eu fugi. talvez eu devesse ter aguentado a pressão , tentando com coragem e atitude mudar aquele ambiente em que me encontrava, mas... me desculpe caro leitor eu sou só um ser humano e tive medo.
Admiro aqueles que ainda tentam e seguem todos os dias tentando e cujo os quais e esses são bem poucos os corações ainda não foram corrompidos pelo comodismo , pelo decaso e pela agressividade. Aos que se deixaram levar torço para que um dia despertem ,estas não são pessoas más, apenas estão tentando se adptar e sobreviver ao ambiente hostil que conheceram . Quanto a mim peço que Deus me perdoe, pela falta de coragem e determinação em me manter e agradeço por me permitr ver oque vi, sou menos menino e mais homem agora.

3 comentários:

Tássia Karl disse...

Chocante.....

me lembra paulo coelho quando escreveu Veronika decide morrer!!

Todos nós nos fingimos de sãos para viver num mundo em que todos são um pouco tristes e um pouco só.

Gaby disse...

Imagino perfeitamente o que sentiu estando em tal ambiente. O Museu da Loucura em barbacena MG, retrata isso muito bem. Lá hospitral psiquiatrico referencia de MG, porém quando chegamos lá, voce sente todo o sofrimento que os pacientes sofreram e ainda sofrem sendo jogados lá, como animais, ou melhor, pior que animais.

dilsinho disse...

mto obrigado por manifestarem suas percepções meninas! convido outras pessoas a se manifestarem também se quiserem! bjos meninas!