sexta-feira, 22 de abril de 2011

Divergentes

Ela se questiona sobre o futuro dos dois. Ele só pensa me beija-la a todo instante. Ela ama o seu "Mengão", equanto ele grita aos quatro ventos "_ Dalhe, dalhe , dalhe meu Vascão." Ela esconde as unhas mal pintadas e ele esconde os óculos tortos. Ela quer que ele se converta tua religião, mas ele sempre foi um rebelde sem religião  e não acha que está na hora de mudar isso.Ela se encata com teu rosto. Ele com a maciez de sua pele. Ele lhe oferece um botão de rosa, e ela o retribui sorrindo e  enrubrecendo.Ele gosta de Picasso, teorias Freudianas, e ouve Los Hermanos, já ela prefere os cultos da Igreja , ouve louvores e vez ou outra os pagodes do Exalta.Ela quer encontrar alguém. Ele quer estar com alguém.Ela hipnotiza ao olhar,e ele se deixa hipnotizar e esquece que são seres tão divergentes.

4 comentários:

Tássia Karl disse...

E ele me pergunta se estou bem...

e eu com pensamentos levianos digo que não precisa, pois estou bem aqui....

Vai entender

dilsinho disse...

impossível!rsrsrrs

Gi Moreira disse...

... Então...
Os seres somente se tangenciam, não é mesmo?
Fico pensando em quantos lados - ou no quanto dura - essa coincidência tão frágil de duas coisas tão diferentes... rss
Lindo texto!

Abraços, Didi!!!

dilsinho disse...

Gi tenho os memso questionamentos em mente! mas to bem perto de conseguir as respostas rsrsrsr! Assima que as tiver te falo! rsrs mto obrigado minha amiga! bjo!